Professores

Angelo Pio Buonafina

Angelo Pio Buonafina 150 150 Redação

Angelo Pio Buonafina

Tornou-se Mestre de Esgrima durante o período em que servia ao exército Italiano logo após o término da Segunda Guerra Mundial. Iniciou a carreira como esgrimista em 1935, com 10 anos, em Brindisi (Puglia – Itália) e com apenas 13 anos tornou-se o mais jovem esgrimista a participar do Campeonato Nacional Italiano com grande destaque. Aprimorou sua técnica na Società del Giardino di Milano, clube exclusivamente de Esgrima conhecido mundialmente até hoje pela formação de campeões Mundiais e Olímpicos.

Chegou ao Brasil em agosto de 1949. Graças a uma reportagem no jornal A Gazeta Esportiva, logo após a sua chegada a São Paulo, foi levado por um sócio ao Clube Floresta, hoje Clube Espéria, onde ministrou aulas a um dos maiores esgrimistas do Brasil, Ferdinando Alessandri, além de outros notáveis campeões da época, promovendo também a formação de novos atletas que se tornariam os novos destaques da esgrima paulista e brasileira. Teve rápidas passagens por clubes como o Nosso Clube de Vila Galvão e Circolo Italiano, onde criou o Departamento de Esgrima, além do Clube Athletico Paulistano. Em março de 1955, convidado por Francisco Lotufo Filho, então Diretor de Esportes, ingressou no Esporte Clube Pinheiros para comandar o Departamento de Esgrima, na época embrionário. Participou como observador, das Olimpíadas de Roma, em 1960.

As instalações eram precárias e ocupavam uma parte de um grande barracão que separava a piscina da pista de atletismo, quase onde hoje é a primeira entrada do estacionamento. Com o primeiro Diretor do Departamento de Esgrima, João Gasparini e com a vontade e a dedicação de transmitir seus conhecimentos, logo o “Mestre” viu surgir o Pinheiros no cenário deste esporte. As salas de treinamento foram mudando de lugar, passando pela sala que tinha uma lateral de vidro de um lado e o outro margeava a rua Tucumã, onde hoje é a parte do restaurante mais próxima da pista de atletismo, com apenas uma pista de treinamento; depois um amplo salão, já com três pistas de treinamento, entre o judô e a yoga em frente ao campo de treino do futebol. No seu auge como Técnico de Esgrima, tendo como Diretor do Departamento Humberto Calabrez, foi instalada no Centro Esportivo a mais ampla e, na época, a mais moderna sala de armas da América do Sul, um salão de 600 m2 com sete pistas de treinamento.

E foi neste cenário, em 35 anos de total abnegação e amor ao Esporte Clube Pinheiros, que Buonafina formou uma plêiade dos melhores esgrimistas nacionais que representaram e representam até hoje o Pinheiros no Brasil e no Mundo, entre eles destacam-se os atletas beneméritos: Humberto Calabrez Filho, Yara Coelho, Francisco Itálico Buonafina, Marcia da Silva Leonelli, Eloisa Brasil de Moraes e Roberto Lazzarini além de Frederico José Barreira de Alencar, todos vencedores de vários campeonatos Sul-Americanos, medalhistas em Pan-Americanos, e participantes de Mundiais e Olimpíadas.

Angelo Pio Buonafina é o Mestre mais premiado do Brasil, não só pela sua técnica, mas também pelo seu caráter e princípios morais que com certeza ajudaram a formar não somente atletas, mas cidadãos corretos e vencedores em diversas atividades. Foi convocado inúmeras vezes para ser o técnico da Equipe Brasileira de Esgrima, porém nunca aceitou, pois preferia dedicar-se aos seus jovens atletas em formação para que o Clube pudesse sempre estar muito bem representado em todos os campeonatos durante várias gerações. Tornou-se sócio do clube e foi conselheiro de 1993 até 1998 quando voltou para a Itália, onde foi rever a família, amigos e os lugares onde viveu parte da sua juventude. Retornou em Janeiro de 2010 para sua pátria adotiva, e principalmente para o seu amado Esporte Clube Pinheiros.

Fonte: BUONAFINA, Angelo Pio: Con La Penna e Con La Spada, As histórias do Mestre Angelo Pio Buonafina, São Paulo: Scortecci Editora, 2012

Carolina Anzolin

Carolina Anzolin 150 150 Redação

 

Desde 2015 árbitra CPB (Comitê Paralímpico Brasileiro) e desde 2016 – Árbitra IWAS – esgrima em cadeira de rodas – tendo arbitrado os Jogos Paralímpicos Rio 2016. Mais recente: arbitragem na Copa do Muno de Pisa e Campeonato Mundial da Coréia do Sul em 2019, e já confirmada como árbitra dos Jogos Paralímpicos de
Tóquio em 2020.

Desde 2017 Árbitra Nacional de Esgrima Olímpica pelo IBE (já arbitrando por clubes
desde 2016), tendo arbitrado várias etapas do circuito nacional. Árbitra do Panamericano infantil e Veterano de El Salvador em 2018, do Sulamericano Adulto de Assunción 2019 e do Sulamericano Cadete Juvenil de Lima em 2019.

Em 2017 conclusão do Curso de Técnico de Esgrima nível I (IBE). Participação também no I e II Estágio de Aperfeiçoamento para Técnicos e Atletas de Esgrima com o mestre Filipo Lombardo em Curitiba, modalidade espada.

Bacharelado em Educação Fisica em curso – Universidade Cruzeiro do Sul

Desde mar 2016 – técnica de esgrima: Escola de Esgrima Abel Melian

Participação como atleta em Competições Nacionais e Internacionais: desde o TNCC
2014, tendo participado já em todas as armas. Hoje apenas em sabre, fazendo parte da
equipe pauli

Fonte: Carolina Anzolin em 25/06/2020

Fernando Scavasin

Fernando Scavasin 150 150 Redação

Fernando Augusto Dias Scavasin (São Paulo, 24 de novembro de 1984) é um esgrimista brasileiro.

Em 1997 teve o primeiro contato com a esgrima e conheceu o técnico cubano Guillhermo Betancourt. Em 1999 entrou para equipe brasileira cadete e juvenil. Em março de 2001 foi convidado a fazer parte da equipe do Esporte Clube Pinheiros, onde começou a treinar com o técnico Guennadi Miakotnic. Em 2012 voltou a treinar com Guillermo Betancourt, em 2017 passou a treinar com o técnico Alkhas Larkerbay e continuou representado o Esporte Clube Pinheiros.

Em 2003, com 19 anos, entrou pela primeira vez na equipe adulta, posição em que se encontra até hoje. Neste período, foi responsável direto pela surpreendente ascensão da equipe de florete até atingir o oitavo lugar no ranking mundial em 2016.

Em 2009, ingressou no Exército Brasileiro como atleta de alto rendimento.

Ao lado de Ghislain Perrier, Guilherme Toldo e Henrique Marques, foi um dos atletas da equipe brasileira de florete nas Olimpíadas do Rio de Janeiro – 2016

Principais conquistas
Atleta Olímpico Rio 2016
Duas vezes medalhista de Jogos Pan-Americanos: prata em 2015 e bronze em 2011;
Medalha de bronze no Campeonato Mundial Militar em 2009;
Oito vezes medalhista de Campeonato Pan-Americano: bronze em 2006, bronze 2007, bronze em 2011, prata em 2012, bronze em 2013, prata em 2014, prata em 2015, prata em 2016;
Quatro vezes medalhista em Jogos Sul-Americanos: prata em 2006, ouro em 2010, ouro e prata em 2014;
Bicampeão sul-americano individual em 2008 e 2015;
Bicampeão brasileiro individual em 2006 e 2009.

Fonte: Fernando Scavasin em 09/06/2020

Heitor de Abreu Soares

Heitor de Abreu Soares 150 150 Redação

“Comecei a treinar esgrima no Rio de Janeiro na década de 80. Meu Mestre foi Heitor de Abreu Soares que ainda ensinava pelos métodos clássicos. Na pista, durante o treino, apenas as lâminas falavam. Explicava tudo sem precisar dizer uma palavra. Por acaso achei hoje um vídeo comovente onde ele faz uma caminhada gloriosa aos 94 anos de idade. Um grande Mestre D’Armas. Muito obrigado por tudo, Mestre Heitor!” Max Velati

Heitor Shimbo

Heitor Shimbo 150 150 Redação

Heitor Shimbo Carmona (São Paulo, 15 de abril de 1983) é um esgrimista brasileiro.

Começou a praticar esgrima aos 10 anos de idade, um ano depois de passar por uma cirurgia cardíaca.

Competiu pelo Esporte Clube Banespa entre 1993 e 2004. Em 2005 passou a defender o Esporte Clube Pinheiros, onde tornou-se atleta Benemérito em 2014.

Nas categorias de base, foi Integrante da equipe brasileira nos Jogos Mundiais da Juventude (Moscou, 1998), campeão Sul-Americano cadete (Porto Alegre, 1999) e campeão Pan-Americano Juvenil (Santiago, 2002).

Foi duas vezes campeão brasileiro de florete masculino adulto, em 2010 e 2012, além de conquistar duas medalhas de prata e seis de bronze na competição entre 2001 e 2016.

Medalhista, por equipes, de bronze nos Jogos Sul-Americanos do Rio de Janeiro em 2002, prata nos Jogos Sul-Americanos de Buenos Aires em 2006, ouro nos Jogos Sul-Americanos de Medellin em 2010, quando também obteve o bronze na prova individual e ouro nos Jogos Sul-Americanos de Cochabamba em 2018

Defendeu a equipe brasileira nos Jogos Pan-Americanos de 2003, 2007, 2011 e 2019, participando das equipes brasileiras que conquistaram as medalhas de bronze no florete e no sabre nos Jogos de Guadalajara – 2011 e a medalha de prata no florete nos Jogos de Lima – 2019

Em campeonatos Pan-Americanos participou das conquistas por equipes das medalhas de bronze em 2007, 2011 e 2019, além das medalhas de prata em 2009, 2012, 2013, 2015 (quando obteve também a medalha de bronze na prova individual), 2017 e 2018.

Por sua contribuição para elevar o Estado de São Paulo em competições de destaque nos Jogos Pan-americanos do Rio de Janeiro, 2007 e por sua atuação como representante do Brasil nos Jogos Pan-americanos de Guadalajara, 2011, lhe foram concedidas as medalhas de mérito esportivo, por parte do governo do Estado e a medalha Anchieta, por parte da Câmara Municipal de São Paulo.

Devido às suas ações dentro e fora das pistas, o esgrimista já foi eleito representante dos atletas frente a Confederação Brasileira de Esgrima e também membro da Associação Brasileira de Esgrimistas (ABE).

É formado em Geografia pela USP, funcionário da Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo e um dos Fundadores do Instituto Touché.

Dados:

Heitor Shimbo Carmona
Arma florete
Nascimento 15 de abril de 1983 (37 anos)
Treinador: Guillermo Betancourt
Clube: Esporte Clube Pinheiros

Principais conquistas:

Jogos Pan-Americanos
Prata – Lima 2019 Florete por equipes
Bronze – Guadalajara 2011 Florete por equipes
Bronze – Guadalajara 2011 Sabre por equipes

Jogos Sul-Americanos
Ouro – Cochabamba 2018 Florete por equipes
Ouro – Medellin 2010 Florete por equipes
Bronze – Medellin 2010 Florete individual
Prata – Buenos Aires 2006 Florete por equipes
Bronze – Rio de Janeiro 2002 Florete por equipes

Copa do Mundo Satélite
Bronze – Cancun 2015 Florete Individual

Campeonato Pan-Americano de Esgrima
Bronze – Toronto 2019 Florete por equipes
Prata – Havana 2018 Florete por equipes
Prata – Montreal 2017 Florete por equipes
Bronze – Santiago 2015 Florete individual
Prata – Santiago 2015 Florete por equipes
Prata – Cartagena 2013 Florete por equipes
Prata – Cancun 2012 Florete por equipes
Bronze – Reno 2011 Florete por equipes
Prata – San Salvador 2009 Florete por equipes
Bronze – Montreal 2007 Florete por equipes

Campeão Sul-Americano individual : Lima, 2012

Campeão Pan-Americano Juvenil individual: Santiago, 2002

Campeão Sul-Americano Cadete individual: Porto Alegre, 1999

Integrante da equipe brasileira nos Jogos Mundiais da Juventude (Moscou, 1998)

Fonte: Instituto Touché

Hugo Mattos

Hugo Mattos 150 150 Redação

Hugo Mattos

Iniciou a prática de esgrima, em 1936, no Clube de Regatas Tietê, tendo como mestre Aníbal Marcondes do Amaral e Frederico Moreira. Complementou seu aprendizado com o uruguaio Antonio Caballero. Diplomado pela Escola de Educação Física da Força Pública do Estado. Fundador da sala de armas do E.C. Banespa. Entre as várias provas vencidas, destacam-se: 1o Eliminatória do Torneio para Noviços (1939), Campeonato Brasileiro por Equipes (1941), Torneio em Homenagem aos Mestres (1942), Torneio Felipo Corridoni (1945), Torneio Sílvio Magalhães Padilha (1951), terceiro lugar nos Jogos Pan-Americanos (1951), Buenos Aires.

Fonte: SILVA, Armando Sérgio da. Uma oficina de atores: a escola de arte dramática de Alfredo Mesquita. São Paulo: Edusp, 1987

Régis Trois de Avila

Régis Trois de Avila 150 150 Redação

Régis Trois de Avila

Gaúcho, nascido em Porto Alegre (RS) em 17 de outubro de 1963, começou a praticar esgrima aos 10 anos junto com o irmão Jarbas Trois de Avila, na Sogipa, com seu tio-avô Mestre Mário Queiroz – que deu origem ao Torneio Infantil Mário Queiroz. A influência veio de sua família. Ele é neto de Dirceu Trois, sobrinho de marceu Trois, todos esgrimistas. Sempre ligado a esportes, praticou Capoeira, Vôlei de Praia além da Esgrima, sempre presente.
Representou o Brasil em vários eventos internacionais. Participou dos Jogos Sul-americanos de Rosário 1982, Santiago 1986, Lima 1990, Valência 1994, além dos Jogos Panamericanos de Havana, em 1991, e vários Campeonatos do Mundo desde a categoria Juvenil.

Teve como ápice de sua carreira de atleta o ano de 1988 com a participação nos Jogos Olímpicos de Seul e também pelo Prêmio Brasil Olímpico recebido do COB. Encerrou a carreira de atleta, em 1997. Formado em Educação Física, foi professor de esgrima em diversos colégios e da Sogipa de Porto Alegre e, hoje, vive em São Paulo. Fez cursos de Mestre d’Armas na Urca, RJ 1989 e 1990 e a Formation Superieure de Maître d’Escrime na École Interarmée des Sports 1990 e 1991, em Fontainebleau, França, títulos formais que lhe permitem ser carinhosamente tratado por Mestre Trois. É árbitro internacional categoria “A” pela Fédération Internationale d’Escrime e atuou nessa função, nos últimos cinco Jogos Olímpicos, Sidney 2000, Atenas 2004, Pequim 2008, Londres 2012 e Rio 2016. Mestre Trois já arbitrou 13 medalhas de ouro em Jogos Olímpicos, orgulho para todos nós.
Desde 1991 coordena o Departamento de Esgrima do Club Athletico Paulistano e, desde 1998, tem uma sala de Esgrima no Colégio Magno.

Fonte: Régis Tróis de Avila em 25/06/2020

Roberto Lazzarini

Roberto Lazzarini 150 150 Redação

Roberto Lazzarini

Nasceu em São Paulo, em 19 de agosto de 1961. É filho de pais italianos, cantores líricos, que vieram ao Brasil para uma temporada de apresentações e nunca mais voltaram a residir na Itália. Seu primeiro contato com a esgrima foi aos 12 anos, quando assistiu a uma competição no Circolo Italiano e foi convidado pelo técnico Angelo Pio Buonafina para treinar. Meses depois, o departamento de esgrima foi fechado e passou a treinar no Pinheiros, clube que defende até o presente. Começou a competir aos 15 anos, motivado pelo sucesso da irmã mais velha, que chegou a campeã brasileira universitária. Aos 16 anos, venceu o campeonato paulista e brasileiro. No ano seguinte, foi campeão juvenil nas mesmas competições, resultados que se repetiram até os 20 anos. Aos 19, venceu o campeonato na categoria livre e foi convocado a integrar a equipe brasileira principal. Nesse mesmo ano, sagrou-se campeão individual e por equipe, no campeonato sul-americano juvenil. Em 1983, foi ao Campeonato Pan-Americano de Caracas, onde conquistou a medalha de ouro, mesmo ano em que começou a dar aulas de esgrima para iniciantes no Pinheiros. Em 1987, competiu nos Jogos Pan-Americanos de Indianápolis e, no ano seguinte, nos Jogos Olímpicos de Seul. Em 1991, foi eleito presidente da Federação Paulista de Esgrima, ano em que voltou a ministrar aulas em uma sala montada pela Federação, no Ginásio do Ibirapuera, sala na qual foram revelados alguns talentos da esgrima brasileira e participou dos Jogos Pan-Americanos de Havana. Foi aos Jogos Olímpicos de Barcelona, em 1992 e alcançou a 20ª colocação entre 72 participantes, melhor resultado brasileiro em Jogos Olímpicos. Em 2007, depois de se classificar para integrar a equipe que iria aos Jogos Pan-Americanos do Rio de Janeiro, foi cortado por não alcançar a média estipulada pela Confederação Brasileira de Esgrima, em um teste de cooper. Formado em Educação Física pela USP, hoje é sócio do restaurante Spadaccino, em São Paulo e Salvador.

Pesquisa desenvolvida pelo grupo de estudos olímpicos da USP – GeoUSP, orientado pela professora doutora Kátia Rúbio.
Link:
https://www.researchgate.net/publication/281178503_Atletas_Olimpicos_Brasileiros

Rodrigo Baldin

Rodrigo Baldin 150 150 Redação

Rodrigo Baldin é atleta e técnico de sabre na Academia Paulista de Esgrima. Integrou o grupo como atleta em 2005 e em 2018 assumiu o treinamento das categorias de base da academia. Como atleta, os últimos melhores resultados foram campeão paulista (2017), bronze no campeonato brasileiro (2019) e bronze no campeonato sul-americano (2019) – resultados nas disputas por equipes pela APE, pela FPE e pela delegação brasileira.
Foi treinado pelo mestre Alkhas Lakerbai ao longo de toda vida de atleta e teve alguns estágios com os mestres Jean-Marie Banos do College Jean de Brebeuf em Montreal e Gennady Tyshler da Tyshler Fencing School.
É certificado como Técnico de Esgrima e Árbitro Nacional pelo Instituto Brasileiro de Esgrima (2017), Mestre de Sabre pela Confederação Pan-americana de Esgrima (2018) e graduando em Educação Física pela Universidade Paulista – conclusão em 2021.
Além de treinador na Academia Paulista de Esgrima, Rodrigo Baldin é técnico do Projeto Mosqueteiros, iniciativa que insere crianças de escolas públicas na esgrima através de bolsas integrais de treino e oferta de materiais sem custo para os praticantes. Alunos da categoria infantil e pré-cadete conquistaram medalhas estaduais, nacionais, sul-americanas e pan-americanas.

Fonte: Rodrigo Baldin em 19/06/2020