Árbitros

Árbitros brasileiros habilitados

Árbitros brasileiros habilitados 150 150 Redação

O árbitro é de fundamental importância para a realização e bom andamento das provas de esgrima. Portador  de papel simbólico, carrega enorme responsabilidade na garantia do respeito ao regulamento e da imparcialidade. Muitas vezes exerce influência decisiva na concretização ou não de objetivos e sonhos construidos em anos de trabalho e suor por parte de atletas, treinadores e demais envolvidos. 

De acordo com a tradução do documento publicado pela Federação Internacional de Esgrima (FIE)  em dezembro de 2017, temos que:

t.46

1. O fato de aceitar uma designação como árbitro ou assessor implica na responsabilidade de honra da pessoa designada de respeitar e de fazer respeitar os regulamentos, assim como realizar as funções com a mais escrupulosa imparcialidade e com a maior atenção.
2. Os árbitros não podem acumular funções com nenhuma outra atividade no torneio, tal qual membro do Diretório Técnico, capitão de equipe, delegado oficial de sua federação nacional, treinador, etc.

t.47
ÁRBITROS
1. Todos os matches de esgrima nas competições oficiais da FIE são dirigidos por um árbitro titular de uma licença internacional de árbitro da FIE, válida para a temporada em curso.
2. O árbitro tem múltiplas funções:

a) ele faz a chamada dos esgrimistas (cf. t.114, t.118, t.119)
b) ele tem a direção do match.
c) antes de cada match, o árbitro deve verificar as armas, as vestimentas e o material dos esgrimistas, segundo as disposições abaixo.
d) ele supervisiona o funcionamento regular do aparelho. De sua própria iniciativa, ou por reclamação de um capitão de equipe ou de um esgrimista, ele faz proceder aos testes de verificação e de localização do defeito eventualmente manifestado. Ele impede os esgrimistas de contrariar as pesquisas desligando ou mudando intempestivamente seu material.
e) ele dirige os assessores, cronometristas, marcadores, etc.
f) ele deve se colocar e se deslocar de maneira a poder seguir o match, de modo a poder constatar o acendimento das lâmpadas.
g) ele sanciona as faltas (Cf. t.164).
h) ele outorga os toques (Cf. t.54ss).
i) ele mantém a ordem (Cf. t137).
j) cada vez que o árbitro julgue oportuno, ele deve consultar os especialistas em matéria de sinalização elétrica (Cf. o.28).
k) O Árbitro também deve supervisionar o estado da pista condutora; ele não deve permitir o início do combate ou a sua continuidade se a pista condutora tiver orifícios que possam afetar o bom registro dos toques.

A Confederação Brasileira de Esgrima (CBE) disponibiliza em sua página eletrônica a relação de árbitros brasileiros habilitados para as competições nacionais, competições FIE e Competições IWAS:

ARBITRAGEM

Em 2020 a CBE indicava os seguintes árbitros brasileiros habilitados e suas respectivas categorias:

ÁrbitroCategoria da habilitação
EDUARDO ROMÃO GOMESFIE – IWAS INTERNACIONAL
ABEL MELIANFIE – IWAS
JACQUES CRAMERFIE – IWAS
FABIO LOUREIROFIE
PAULO JUAN DE LIMA VELLOSOFIE
LUCIANO FINARDIFIE
RÉGIS TROIS DE ÁVILAFIE
RICARDO FERRAZIFIE
ANA CLARA RODRIGUESFIE
ARNO SCHNEIDERFIE
LUCIO GOLDANIFIE
PEDRO MAROSTEGAIWAS INTERNACIONAL – NACIONAL B
RICARDO BINDI DE ROMÃO GOMESIWAS NACIONAL – NACIONAL B
GABRIELA RODRIGUESIWAS NACIONAL – NACIONAL B
GABRIEL DE ASSISIWAS NACIONAL – NACIONAL B
MAURÍCIO STEMPNIAKIWAS NACIONAL – NACIONAL B
TALIA BECKER CALAZANSIWAS NACIONAL – NACIONAL B
CAROLINA ANZOLIN ARAUJONACIONAL A – IWAS
AUGUSTO CASTRONACIONAL B – ECR NACIONAL
ANA LUIZA AMARAL TOLDONACIONAL B
CARLOS HENRIQUE MOREIRANACIONAL B
CLÉDOLA OLIVEIRA DE TELLONACIONAL B
DIEGO MARQUES FRANTZNACIONAL B
HENRIQUE ROCHELNACIONAL B
ICARO ZAGROBELNY MOURANACIONAL B
JOAO PAULO FORMAN MURRAYNACIONAL B
LUCIANA BENTO P. DE CARVALHO CABRALNACIONAL B
LUIGI BRESCIANININACIONAL B
LUIZ HENRIQUE SOMMERNACIONAL B
TABEA EPP KUSTER ALVESNACIONAL B
TARCÍSIO MATEUS MENDESNACIONAL B
VICENTE LEAL HOFMEISTERNACIONAL B
ALINE DE MENEZES SANTOSNACIONAL B
ANA PAULA BINDI GOMESNACIONAL B
AUGUSTO MARQUESNACIONAL B
JULIANA PEREIRA DIASNACIONAL B
KARINA ZETTERMANN T. DE AVILANACIONAL B
LUCIANO SOUZANACIONAL B
MARCELO CORSETTINACIONAL B
LORANA SCHWANTESNACIONAL B
PEDRO D’AVILA DE CARVALHONACIONAL B
RAPHAEL REBOUÇAS SANTANA SILVANACIONAL B
RICARDO PACHECONACIONAL B
LUIZ EDUARDO DIONISIO DA FONSECANACIONAL B
THOMAS F. SCHWANKENACIONAL B
VITOR LICHESKI CITNACIONAL B
AUGUSTO NOBRE GONÇALVESNACIONAL B
DANILO COUTO GUEDESNACIONAL B
ENZO ARAKI BERGAMONACIONAL B
JOSÉ JOAQUIM DIAS SOEIRONACIONAL B
LEONARDO DE CAMPOS SIMÕESNACIONAL B
LEOPOLDO LUIZ GUBERT FILHONACIONAL B
LUIZ GUILHERME PETRACHINACIONAL B
RENATA ZETTERMANNNACIONAL B
RODRIGO BALDINNACIONAL B
TAYLAINE GUZENSKI PACHECONACIONAL B
VERÔNICA COUTO FERREIRA SOEIRONACIONAL B
THEO DUARTE GOLDEMBERGNACIONAL B
PEDRO H. P. PETRICHJUNIOR

Por: Heitor Shimbo Carmona

Fontes:

Disponível em: http://cbesgrima.org.br/arbitragem-2/ . Acesso em 02 Jul. 2020

Disponível em: http://cbesgrima.org.br/wp-content/uploads/2018/01/regulamento-tecnico-esgrima-fie-dezembro-de-2017.pdf . Acesso em 02 Jul. 2020

Carolina Anzolin

Carolina Anzolin 150 150 Redação

 

Desde 2015 árbitra CPB (Comitê Paralímpico Brasileiro) e desde 2016 – Árbitra IWAS – esgrima em cadeira de rodas – tendo arbitrado os Jogos Paralímpicos Rio 2016. Mais recente: arbitragem na Copa do Muno de Pisa e Campeonato Mundial da Coréia do Sul em 2019, e já confirmada como árbitra dos Jogos Paralímpicos de
Tóquio em 2020.

Desde 2017 Árbitra Nacional de Esgrima Olímpica pelo IBE (já arbitrando por clubes
desde 2016), tendo arbitrado várias etapas do circuito nacional. Árbitra do Panamericano infantil e Veterano de El Salvador em 2018, do Sulamericano Adulto de Assunción 2019 e do Sulamericano Cadete Juvenil de Lima em 2019.

Em 2017 conclusão do Curso de Técnico de Esgrima nível I (IBE). Participação também no I e II Estágio de Aperfeiçoamento para Técnicos e Atletas de Esgrima com o mestre Filipo Lombardo em Curitiba, modalidade espada.

Bacharelado em Educação Fisica em curso – Universidade Cruzeiro do Sul

Desde mar 2016 – técnica de esgrima: Escola de Esgrima Abel Melian

Participação como atleta em Competições Nacionais e Internacionais: desde o TNCC
2014, tendo participado já em todas as armas. Hoje apenas em sabre, fazendo parte da
equipe pauli

Fonte: Carolina Anzolin em 25/06/2020

Régis Trois de Avila

Régis Trois de Avila 150 150 Redação

Régis Trois de Avila

Gaúcho, nascido em Porto Alegre (RS) em 17 de outubro de 1963, começou a praticar esgrima aos 10 anos junto com o irmão Jarbas Trois de Avila, na Sogipa, com seu tio-avô Mestre Mário Queiroz – que deu origem ao Torneio Infantil Mário Queiroz. A influência veio de sua família. Ele é neto de Dirceu Trois, sobrinho de marceu Trois, todos esgrimistas. Sempre ligado a esportes, praticou Capoeira, Vôlei de Praia além da Esgrima, sempre presente.
Representou o Brasil em vários eventos internacionais. Participou dos Jogos Sul-americanos de Rosário 1982, Santiago 1986, Lima 1990, Valência 1994, além dos Jogos Panamericanos de Havana, em 1991, e vários Campeonatos do Mundo desde a categoria Juvenil.

Teve como ápice de sua carreira de atleta o ano de 1988 com a participação nos Jogos Olímpicos de Seul e também pelo Prêmio Brasil Olímpico recebido do COB. Encerrou a carreira de atleta, em 1997. Formado em Educação Física, foi professor de esgrima em diversos colégios e da Sogipa de Porto Alegre e, hoje, vive em São Paulo. Fez cursos de Mestre d’Armas na Urca, RJ 1989 e 1990 e a Formation Superieure de Maître d’Escrime na École Interarmée des Sports 1990 e 1991, em Fontainebleau, França, títulos formais que lhe permitem ser carinhosamente tratado por Mestre Trois. É árbitro internacional categoria “A” pela Fédération Internationale d’Escrime e atuou nessa função, nos últimos cinco Jogos Olímpicos, Sidney 2000, Atenas 2004, Pequim 2008, Londres 2012 e Rio 2016. Mestre Trois já arbitrou 13 medalhas de ouro em Jogos Olímpicos, orgulho para todos nós.
Desde 1991 coordena o Departamento de Esgrima do Club Athletico Paulistano e, desde 1998, tem uma sala de Esgrima no Colégio Magno.

Fonte: Régis Tróis de Avila em 25/06/2020